43ª Mostra - Crítica: O Relatório | Cinematecando

Posted On 04/11/2019 By In Críticas - Lançamentos, Filmes

43ª Mostra – Crítica: O Relatório

Outra verdade inconveniente

O Relatório

Quase todas as cenas de O Relatório se passam em escritórios fechados, onde funcionários do governo norte-americano e de seus órgãos associados reviram os segredos da estratégia dos EUA nos anos que se seguiram ao 11 de setembro. A alta voltagem do filme, portanto, não vem de sequências de perseguição ou explosões, mas das discussões acaloradas entre os personagens, que lidam com o fato do exército ter utilizado a tortura como método durante suas invasões ao Afeganistão e Iraque. A quantidade de diálogos pode ser excessiva para o gosto de alguns espectadores, mas interessados em geopolítica terão um prato cheio.

O longa é escrito e dirigido por Scott Z. Burns, mais conhecido por seu trabalho como produtor em longas como o documentário vencedor do Oscar Uma Verdade Inconveniente, que em 2006 já alertava para os perigos da mudança climática. Dessa vez Burns aborda outra verdade, também inconveniente a ponto de muita gente tentar evitar que ela venha à tona, haja visto a quantidade de informações censuradas nos estudos que o protagonista Daniel J. Jones (vivido por Adam Driver) produz a partir de seu trabalho exaustivo.

Funcionário do gabinete da senadora democrata Dianne Feinstein (Annette Bening), Jones dedica sua vida a descobrir os segredos por trás das chamadas “Técnicas Avançadas de Interrogatório”. O nome excessivamente rebuscado, como é praxe quando quer-se dourar uma pílula amarga, foi criado basicamente como permissão para soldados norte-americanos utilizarem afogamento e privação de sono, entre outras coisas, quando capturavam membros das forças inimigas.

O que o personagem de Driver vê com clareza a partir de sua pesquisa é não apenas o fato do procedimento ser discutível do ponto de vista humanitário, mas a noção incontestável que o recurso não tinha eficiência. Ou seja, nenhuma informação relevante foi conseguida assim.

Ainda assim, O Relatório é menos um filme-denúncia e mais uma representação dos dilemas de seu herói sobre a melhor forma de expor tudo que teve acesso. Mesmo angustiado, ele deixa essa decisão para a chefe, crítica da postura de Edward Snowden, o que já indica que a senadora só irá agir se tiver margem legal e oficial para isso.

Assim, o longa se mostra esperançoso na capacidade das instituições de se auto-regularem. A escolha de não mostrar uma cena sequer da vida pessoal de Jones ou de qualquer outro personagem é simbólica nesse sentido. A moral da história é que cabe ao sistema resolver os problemas que ele mesmo cria.

Outra verdade inconveniente Quase todas as cenas de O Relatório se passam em escritórios fechados, onde funcionários do governo norte-americano e de seus órgãos associados reviram os segredos da estratégia dos EUA nos anos que se seguiram ao 11 de setembro. A alta voltagem do filme, portanto, não vem de sequências de perseguição ou explosões, mas das discussões acaloradas entre os personagens, que lidam com o fato do exército ter utilizado a tortura como método durante suas invasões ao Afeganistão e Iraque. A quantidade de diálogos pode ser excessiva para o gosto de alguns espectadores, mas interessados em geopolítica terão um prato cheio. O longa é escrito e dirigido por Scott Z. Burns, mais conhecido por seu trabalho como produtor em longas como o documentário vencedor do Oscar Uma Verdade Inconveniente, que em 2006 já alertava para os perigos da mudança climática. Dessa vez Burns aborda outra verdade, também inconveniente a ponto de muita gente tentar evitar que ela venha à tona, haja visto a quantidade de informações censuradas nos estudos que o protagonista Daniel J. Jones (vivido por Adam Driver) produz a partir de seu trabalho exaustivo. Funcionário do gabinete da senadora democrata Dianne Feinstein (Annette Bening), Jones dedica sua vida a descobrir os segredos por trás das chamadas "Técnicas Avançadas de Interrogatório". O nome excessivamente rebuscado, como é praxe quando quer-se dourar uma pílula amarga, foi criado basicamente como permissão para soldados norte-americanos utilizarem afogamento e privação de sono, entre outras coisas, quando capturavam membros das forças inimigas. O que o personagem de Driver vê com clareza a partir de sua pesquisa é não apenas o fato do procedimento ser discutível do ponto de vista humanitário, mas a noção incontestável que o recurso não tinha eficiência. Ou seja, nenhuma informação relevante foi conseguida assim. Ainda assim, O Relatório é menos um filme-denúncia e mais uma representação dos dilemas de seu herói sobre a melhor forma de expor tudo que teve acesso. Mesmo angustiado, ele deixa essa decisão para a chefe, crítica da postura de Edward Snowden, o que já indica que a senadora só irá agir se tiver margem legal e oficial para isso. Assim, o longa se mostra esperançoso na capacidade das instituições de se auto-regularem. A escolha de não mostrar uma cena sequer da vida pessoal de Jones ou de qualquer outro personagem é simbólica nesse sentido. A moral da história é que cabe ao sistema resolver os problemas que ele mesmo cria.

O Relatório

Cotação

Bom

Com boa parte de sua ação concentrada em escritórios, filme vale por atuações e importância do assunto que aborda

71

Crítico de cinema, roteirista e diretor. Pós-graduado em Jornalismo Cultural. Além do Cinematecando, é colunista do Yahoo! Brasil