Artigos | Cinematecando
Quem procura uma distração na Netflix  para o fim de semana, é bom passar longe de Olhos que Condenam. A minissérie é fortemente não recomendada para quem busca o sono dos justos, também conhecido como autoengano. A minissérie de Ana DuVernay é uma mola propulsora das revoltas mais agudas para quem vive em 2019 – e olha que a história, baseada em fatos reais, é de 1989, e a concorrência 30 anos depois é considerável. O que irrita nos quatro capítulos da série é que, se você tem qualquer referênciaRead More
Semana passada, ao escrever, para o UOL, uma reportagem sobre o fenômeno Vingadores: Ultimato, ouvi de um professor de cinema que a hegemonia dos filmes de super-heróis fatalmente levaria os realizadores brasileiros a uma encruzilhada. De duas, uma. Ou haveria uma tentativa de copiar o modelo de sucesso nas bilheterias, levando à produção de uma espécie de pastiche do cinema americano, ou os cineastas nacionais dobrariam a aposta na resistência, como fizeram os idealizadores do cinema novo. Com o celular na mão e uma encruzilhada na cabeça, repassei a questãoRead More
Vingadores: Ultimato já é um marco histórico do cinema deste século XXI. Não falo isso pelos recordes de bilheteria que acumula desde sua estreia, e nem apenas pelo fato de ser a conclusão de um ciclo iniciado pela Marvel onze anos antes, quando o primeiro Homem de Ferro apresentou ao mundo a ideia de um universo interconectado por múltiplas aparições de personagens, easter eggs e cenas pós-créditos. Mais do que o filme em si, é interessante a reflexão sobre o que essa superprodução significa como o auge de uma culturaRead More
No livro O Mal-Estar na Civilização, Freud escreve que uma das exigências ideais da sociedade civilizada é a que determina amar ao próximo como a ti mesmo – uma ordem, segundo ele, mais antiga do que o cristianismo. De lá para cá, muitas das perturbações psíquicas dos indivíduos ao longo da história resultam do descumprimento certo de uma norma inalcançável. “Como levar isso ao cabo?”, questiona o autor. Em O Mau Exemplo de Cameron Post, filme vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Sundance 2018 e que agoraRead More
O conceito de cinema traficante, muito bem explicado por Martin Scorsese em seu documentário Uma Viagem Pessoal Pelo Cinema Americano, é um tema essencial para entender a questão da autoria no cinema dos Estados Unidos. Scorsese explicita ali como, trabalhando num rígido sistema de estúdios onde os produtores e mandatários de companhias cinematográficas eram os grandes donos dos filmes na antiga Hollywood, alguns diretores conseguiam seguir e atender as necessidades deste esquema de cinema industrial, mas através de procedimentos estéticos colocavam suas visões de mundo nessas obras, traficando ideias noRead More
“Uma mulher tem que ter Qualquer coisa além de beleza Qualquer coisa de triste Qualquer coisa que chora Qualquer coisa que sente saudade Um molejo de amor machucado Uma beleza que vem da tristeza De se saber mulher Feita apenas para amar Para sofrer pelo seu amor E pra ser só perdão” É citando Vinícius de Moraes que começa a série brasileira Coisa Mais Linda. Nela conhecemos Maria Luiza (Maria Casadevall), Lígia (Fernanda Vasconcellos), Adélia (Patrícia Dejesus) e Theresa (Mel Lisboa). Poderiam ser apenas quatro amigas saindo numa sexta àRead More
Para qualquer súdito do Rei do Pop, a experiência de assistir ao documentário Deixando Neverland é dolorosa. Não é fácil ver os relatos, ricos em detalhes, de Wade Robson e James Safechuck sobre os abusos que contam ter sofrido durante a infância sem sentir ao menos uma pontinha de culpa. Como se, ao ouvir as tantas canções de Michael Jackson ao longo dos anos, nos tornássemos de alguma forma cúmplices daquela situação. É certo que existe quem, depois das quatro horas do documentário, ainda vá dizer que não há provasRead More
Assisti ao documentário Eleições, de Alice Riff, ainda sob o impacto do massacre na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, onde dois ex-alunos assassinaram oito pessoas, entre estudantes e funcionários, na quarta-feira, dia 13, e se mataram em seguida. Os paralelos entre as duas escolas são mínimos, mas gritantes: no contexto estão duas instituições públicas de ensino, ambas inseridas, e não à margem, de boa parte dos conflitos e dispositivos políticos do mundo para além da sala de aula. O filme acompanha as eleições, para o grêmio estudantil, na EscolaRead More