Crítica: Wheelman | Cinematecando

Posted On 27/10/2017 By In Filmes

Crítica: Wheelman

Imagine que uma combinação entre a adrenalina de um piloto de fuga em Em Ritmo de Fuga(2017) e o peso dramático e o uso de praticamente uma única locação (um carro) como em Locke (2013). O resultado dessa combinação seria algo parecido com Wheelman, a nova produção original Netflix que chegou para animar os amantes do suspense de ação. O filme tem em si uma expressão muito enérgica, com ritmos acelerados de cena, tiros e ansiedade extrema dos personagens, mas não se prende à essas convenções de gênero, pois também sabe que um belo tom de mistério só tem a acrescentar.

A sinopse é simples porém suficiente: num roubo de banco, um motorista de fuga (Frank Grillo) percebe que foi traído e começa uma caçada para descobrir quem é o responsável. Gradativamente, as suspeitas e descobertas do “motorista”, sim, sem nome, como ele prefere ser chamado (tanto que a tradução da palavra para o inglês é o próprio título do filme), vão conquistando nossa atenção, nos deixando curiosos, mas ao mesmo tempo tensos pelo desconhecido perigo que o protagonista corre. Logo na primeira cena (antes dos créditos iniciais) acompanhamos o motorista tendo seu primeiro contato com o carro. Já temos uma boa prévia dos enquadramentos agitados porém acertados de câmera dentro do carro, que corre em alta velocidade, dando uma sensação de “tensão controlada” muito original e poderosa, que faz da direção de Jeremy Rush e principalmente a fotografia de Juanmi Azpiroz os pontos altos da obra.

Padraic McKinley, montador, não deixa seu trabalho à mercê do roteiro, estabelecendo uma identidade rara em suspenses assim, o que ajuda na imersão do expectador, seja com cortes rápidos pra gerar adrenalina, ou intercalando planos longos, trazendo leves momentos de calmaria para que o público possa respirar, e se preparar para mais uma cena frenética que provavelmente virá a seguir. Nesse padrão de alternância entre sequências sossegadas e frenéticas, o roteiro mantém a tensão do expectador, mas é a montagem que realmente faz o nosso coração acelerar.

Em Wheelman, é o próprio quem brilha e deve brilhar. Grillo agarra um papel de prestígio que pode definitivamente alavancar sua carreira como protagonista. O ator deixa nítido as sensações de seu personagem, tornando suas ações verossímeis, e fazendo com que qualquer expectador se projete na pele deste pai desesperado por sua vida, e a de pessoas próximas.

Duas curiosidades ainda tomam conta do filme. A primeira é o fato da perspectiva de visão da câmera partir sempre de dentro do carro, o que deixa tudo mais interessante e familiariza o expectador com o carro quase tanto quanto o motorista. A segunda é o fato da maioria dos personagens serem construídos através de suas vozes apenas, sem a necessidade de um rosto, pelo menos a princípio. Isso coloca à prova a capacidade interpretativa dos atores, claramente não como uma Scarlett Johansson em Her (2013), mas com certeza exige um pouco que a voz dos intérpretes sejam expressivas o suficiente para mexer com o público.

A trilha sonora do filme, composta por Brooke Blair e Will Blair é carregada de um tom apreensivo, auxiliando na construção do suspense e no ritmo do roteiro. Wheelman não possui todo um potencial para se tornar um clássico cult do gênero, até porque seu roteiro, ainda que eficiente, apoia-se em clichês e numa premissa nem um pouco original. A originalidade, como já dito antes, está na direção e nos enquadramentos aplicados pela fotografia. Portanto, o filme é uma boa pedida para quem gosta de se arriscar em produções imersivas, de baixo orçamento, curta duração e com inteligência o suficiente para deixar seu público tenso, intrigado e imerso completamente em sua história.

FICHA TÉCNICA

Direção e Roteiro: Jeremy Rush
Produção: Joe Carnahan, Craig Chapman, Frank Grillo, J. Todd Harris, Chady Eli Mattar, Myles Nestel, Scott C. Silver
Elenco: Frank Grillo, Garret Dillahunt, Caitlin Carmichael, Wendy Moniz, Shea Whigham
Direção de Fotografia: Juanmi Azpiroz
Montagem: Padraic McKinley
Música: Brooke Blair, Will Blair
Gênero:
Suspense / Ação
Duração: 82 min.

Imagine que uma combinação entre a adrenalina de um piloto de fuga em Em Ritmo de Fuga(2017) e o peso dramático e o uso de praticamente uma única locação (um carro) como em Locke (2013). O resultado dessa combinação seria algo parecido com Wheelman, a nova produção original Netflix que chegou para animar os amantes do suspense de ação. O filme tem em si uma expressão muito enérgica, com ritmos acelerados de cena, tiros e ansiedade extrema dos personagens, mas não se prende à essas convenções de gênero, pois também sabe que um belo tom de mistério só tem a acrescentar. A sinopse é simples porém suficiente: num roubo de banco, um motorista de fuga (Frank Grillo) percebe que foi traído e começa uma caçada para descobrir quem é o responsável. Gradativamente, as suspeitas e descobertas do "motorista", sim, sem nome, como ele prefere ser chamado (tanto que a tradução da palavra para o inglês é o próprio título do filme), vão conquistando nossa atenção, nos deixando curiosos, mas ao mesmo tempo tensos pelo desconhecido perigo que o protagonista corre. Logo na primeira cena (antes dos créditos iniciais) acompanhamos o motorista tendo seu primeiro contato com o carro. Já temos uma boa prévia dos enquadramentos agitados porém acertados de câmera dentro do carro, que corre em alta velocidade, dando uma sensação de "tensão controlada" muito original e poderosa, que faz da direção de Jeremy Rush e principalmente a fotografia de Juanmi Azpiroz os pontos altos da obra. Padraic McKinley, montador, não deixa seu trabalho à mercê do roteiro, estabelecendo uma identidade rara em suspenses assim, o que ajuda na imersão do expectador, seja com cortes rápidos pra gerar adrenalina, ou intercalando planos longos, trazendo leves momentos de calmaria para que o público possa respirar, e se preparar para mais uma cena frenética que provavelmente virá a seguir. Nesse padrão de alternância entre sequências sossegadas e frenéticas, o roteiro mantém a tensão do expectador, mas é a montagem que realmente faz o nosso coração acelerar. Em Wheelman, é o próprio quem brilha e deve brilhar. Grillo agarra um papel de prestígio que pode definitivamente alavancar sua carreira como protagonista. O ator deixa nítido as sensações de seu personagem, tornando suas ações verossímeis, e fazendo com que qualquer expectador se projete na pele deste pai desesperado por sua vida, e a de pessoas próximas. Duas curiosidades ainda tomam conta do filme. A primeira é o fato da perspectiva de visão da câmera partir sempre de dentro do carro, o que deixa tudo mais interessante e familiariza o expectador com o carro quase tanto quanto o motorista. A segunda é o fato da maioria dos personagens serem construídos através de suas vozes apenas, sem a necessidade de um rosto, pelo menos a princípio. Isso coloca à prova a capacidade interpretativa dos atores, claramente não como uma Scarlett Johansson em Her (2013), mas com certeza exige um pouco que a voz dos intérpretes sejam expressivas o suficiente para mexer com o público. A trilha…

Wheelman

Direção
Roteiro
Elenco
Fotografia
Montagem
Trilha Sonora

Ótimo

80