Críticas - Lançamentos | Cinematecando
Durante os primeiros segundos de Kóblic, novo longa do argentino Sebastián Borensztein, que ganhou atenção internacional com seu célebre Um Conto Chinês, encontrava-me cativado pela tensão do que viria a acontecer a partir dali. Infelizmente, aqueles breves segundos eram apenas um vislumbre do bom filme que Kóblic poderia ter sido. Nem mesmo o requisitado Ricardo Darín (Relatos Selvagens) consegue salvar um projeto tão dolorosamente inexpressivo. Tomás Kóblic, interpretado por Darín, é um aviador argentino que foge de seu passado vinculado à ditadura Pinochet, no Chile. Apesar de outros detalhes já estaremRead More
Um dos grandes destaques do Festival Varilux de Cinema Francês, que trouxe muitos filmes incríveis, foi Um Doce Refúgio. A história foi escrita, dirigida e interpretada pelo francês Bruno Podalydès (Adeus Berthe: O Enterro da Vovó). Na trama, conhecemos o artista gráfico Michel (Bruno Podalydès), que trabalha com seu irmão Remi e que sempre foi fascinado pelo serviço postal aéreo francês, embora nunca tenha pilotado um avião. Um dia, ele se depara com uma foto de um caiaque e fica impressionado com a semelhança com a fuselagem de um avião. Então, secretamente, compra umRead More
Desde seu primeiro capítulo, a franquia The Purge, antes intitulada nacionalmente como Uma Noite de Crime, deixa a sensação de que abusa de sua própria estadia nos cinemas. Seu conceito central, apesar de maniqueísta e tolo, sempre guardou bastante potencial para caso fosse explorado de maneira mais cômica ou autoconsciente. Mas o diretor e roteirista James DeMonaco aparenta não aprender com as próprias fraquezas, afinal seus filmes são surpreendentemente rentáveis em solo norte-americano, o último destes sendo 12 Horas para Sobreviver: O Ano da Eleição. Uma semi-sequência para o razoavelmenteRead More
Arnaldo (Vladimir Brichta) é um homem infeliz, preso a um casamento infeliz e dependente de um emprego entediante, vive uma vida miserável sem uma válvula de escape sequer que o anime, até que conhece Josie (Mariana Ximenes), uma garota misteriosa, linda, mais nova, mais livre do que ele e dona de um cemitério de animais. Percebendo em Josie a chance de fazer sua vida valer a pena, Arnaldo ouve rumores sobre uma clínica que faz cópias das pessoas para que sejam colocadas nas rotinas torturantes enquanto as versões originais fogemRead More
Preciso iniciar essa análise dizendo que sou muito fã da obra de Tim Burton e que admiro sua forma de criar personagens, histórias e situações de maneira leve e sombria ao mesmo tempo. Mas depois de eu me decepcionar com Sombras da Noite (2012), pude perceber que Tim Burton, a partir dali, dirigiu filmes que não chegaram a conter o mesmo impacto de filmes do passado, tais como Edward Mãos de Tesoura ou Os Fantasmas se Divertem. Até mesmo Alice (2010),  não possuíra a atmosfera pela qual me apaixonei quando criança aoRead More
A personagem Bridget Jones foi apresentada ao mundo no livro O Diário de Bridget Jones, escrito por Helen Fielding, na década de 1990. No início dos anos 2000, a história da inglesa fora dos padrões visuais, que não segue as regras sociais impostas, que fala sempre mais do que deveria e que, aos 30 anos, já é vista como uma solteirona velha pela sociedade, chegou às telonas em um filme estrelado por Renée Zellweger, Colin Firth e Hugh Grant. Muitos anos, um segundo filme e outros dois livros lançados se passaramRead More
A partir do início da projeção de Demônio de Neon, quando somos apresentados a um lindo tableau de cores sortidas, as iniciais N.W.R. estão estampadas na tela. Após a recepção desconcertante de seu longa anterior Apenas Deus Perdoa, Nicolas Winding Refn parece ter novamente tornado sua principal cartada em uma fonte de força criativa: o estilo abundante. Considerando que este seu novo longa se trata do exuberante e impiedoso mundo da moda, a transformação de sua autoria em uma espécie de grife se encaixa muito bem com a proposta. ORead More
Direto ao ponto. Sete Homens e Um Destino é um remake do western de 1960 com o mesmo nome e direção de John Sturges, que também foi um remake/adaptação de Os Sete Samurais, do visionário Akira Kurosawa, de 1954. Normalmente, existe um pressuposto de se estabelecer comparações com as versões originais, ou anteriores. Todavia, esse “caminho” é perigoso para análise, até incontingente, pois existem muitas derivações do primordial ao atual, seja pelo tempo ou contexto das circunstâncias e fatos da época. Além de serem três diretores diferentes, com três conceitos narrativos distintos.Read More