Sundance 2018: os filmes que mais esperamos | Cinematecando

Posted On 25/01/2018 By In Filmes, Listas

Sundance 2018: os filmes que mais esperamos

Misturando despretensão com seriedade, há filmes para todos em Sundance

Ponto de encontro de cineastas em ascensão e alguns já renomados, a última edição do Festival de Sundance teve início em 18 de Janeiro, com término marcado para este domingo, 28. Ainda faltam alguns dias, mas separamos os títulos que mais chamaram nossa atenção em sua seleção de longas-metragens. O festival é um dos primeiros termômetros para sucesso de crítica e a temporada de premiações, além catapultar pequenos filmes ao conhecimento do público cinéfilo. Confira abaixo as escolhas:


Benzinho

O filme de Gustavo Pizzi arrancou elogios da crítica no Festival. A história é sobre uma mãe (Karine Teles) que deve lidar com um turbilhão de emoções ao descobrir que o filho mais velho vai à Alemanha para tentar uma carreira como jogador de handebol. Pizzi e Teles já haviam colaborado em Riscado, drama de 2011. O elenco ainda conta com Otávio Müller e Adriana Esteves.


Bodied

Dirigido por Joseph Kahn, conhecido por seus curtas (como a versão dark dos Power Rangers), o filme acompanha um jovem (Callum Worthy, de American Vandal) que, no processo de estudar um grupo de rappers, começa a nutrir um interesse maior pela música, mesmo que em um ambiente extremamente competitivo. O longa já foi exibido em Toronto no ano passado, e seu sucesso pediu pela reprise em Sundance.


Damsel

Dos diretores Nathan e David Zellner, responsáveis pelo elogiado Kumiko – A Caçadora de Tesouros, este western com pegada cômica segue um andarilho (Robert Pattinson) que vai atrás de sua amada (Mia Wasikowska) para resgatá-la. Caso ache que é mais uma daquelas histórias de donzela em perigo, os críticos já deixaram clara a sua surpresa com os rumos tomados pelo longa (o título é uma ironia).


Eighth Grade

Estreia na direção do talentoso comediante Bo Burnham, que começou como Youtuber, o filme traz a história de uma garota com problemas de ansiedade e dificuldades sociais em uma época de redes sociais, tudo isso em meio aos desafios de concluir a 8ª série no colégio.


Ferrugem

Outro filme nacional que foi alvo de elogios, dirigido por Aly Muritiba (de Para Minha Amada Morta). Com tema incômodo mas pertinente, o longa segue uma garota que descobre o vazamento de algumas de suas fotos íntimas na internet.


A Futile and Stupid Gesture

Esta comédia de David Wain (Wet Hot American Summer) será disponibilizada na Netflix amanhã. Na mesma pegada metalinguística e irreverente dos outros filmes do diretor, tem-se a história da criação da revista National Lampoon por Douglas Kenney (Will Forte) e Henry Beard (Domhnall Gleeson), que depois veio a originar filmes de sucesso como Férias Frustradas e Clube dos Cafajestes.


The Guilty

Suspense dinamarquês ambientado em uma cabine policial, o filme de Gustav Möller já gerou o burburinho de um inevitável remake hollywoodiano. Antes disso, queremos ver a versão original desta história de um policial que, confinado a um único lugar, deve resolver o mistério de um assassinato.


Mandy

Com direção do italiano Panos Cosmatos, filho de George P. Cosmatos (responsável por Rambo e Tombstone), o filme é um thriller de vingança com contornos surrealistas. Nada disso faria diferença caso não soubéssemos que o protagonista é ninguém menos que Nicolas Cage, já aclamado por sua loucura no papel. O longa ainda conta com a talentosa Andrea Riseborough (Black Mirror) no elenco.


The Miseducation of Cameron Post

Baseado no elogiado livro de mesmo nome, o drama teen é dirigido pela cineasta em ascensão Desiree Akhavan (que atuou no terror Creep 2). A história é sobre uma jovem (Chloe Grace Moretz) que, flagrada beijando outra garota, é mandada a um retiro cristão para ser convertida. Imagina-se que nada será como o esperado.


Sorry to Bother You

Estreia do rapper Boots Riley na direção, a sátira social semi-distópica ressoou com o público do festival, que também elogiou as atuações de Lakeith Stanfield (Corra!) e Tessa Thompson (Thor: Ragnarok). Vale dizer que Armie Hammer (Me Chame Pelo Seu Nome) também faz uma participação como o CEO de uma empresa maligna.


The Tale

Outro filme de temática incômoda, o drama da diretora Jennifer Fox é uma jornada autobiográfica sobre uma mulher que descobre ter sofrido um abuso sexual na infância. Laura Dern interpreta Fox já adulta, enquanto a novata Isabelle Nélisse faz sua versão jovem. O longa recebeu fortes elogios, tanto por suas qualidades cinematográficas quanto pela força de sua mensagem.


Un Traductor

Rodrigo Santoro (Westworld) interpreta um professor de literatura que é convocado a traduzir os relatos de crianças contaminadas pela radiação em Chernobyl, no intuito de facilitar seu tratamento em Cuba. Dirigido pelos irmãos Rodrigo e Sebastian Barriuso, o filme recebeu elogios principalmente pela atuação comprometida de Santoro.


Three Identical Strangers

O documentário de Tim Wardle resgata a fascinante história de três rapazes que, aos 19 anos, descobrem ser trigêmeos separados na infância. A história parte desse ponto e é gradualmente revelada como algo muito mais perturbador do que o esperado, dizem os críticos. Aficionados por documentários investigativos devem se satisfazer.


We the Animals

Com base no livro de mesmo nome, o filme de Jeremiah Zagar conta a história de um garoto que cresce na pobreza nos arredores de Nova York, em meio a uma dinâmica familiar abusiva. Alguns já tecem a comparação com Moonlight, tanto em tema quanto primor, mas acredita-se que esse longa independente pode vir a se destacar mais com o passar do ano.


Wildlife

Outra estreia na direção, desta vez por parte do ator Paul Dano, cujo filme cobre a história de uma família suburbana de Montana que vê a vida mudar do dia para a noite após um incêndio florestal. As interpretações de Carey Mulligan, Jake Gyllenhaal e Ed Oxenbould nos papéis centrais foram reconhecidas, assim como a condução de Dano por trás das câmeras.

Formado em Rádio, TV e Internet pela Faculdade Cásper Líbero (FCL). É redator no Cinematecando desde 2016.