Análise Tag

Posted On novembro 19, 2017By Letícia PiroutekIn Críticas - Séries, Séries

Crítica: Marvel – O Justiceiro (1ª temporada)

Depois de todo mundo se apaixonar por Frank Castle (Jon Bernthal) na segunda temporada de Demolidor, uma série fresquinha de 13 episódios dedicada somente a ele finalmente estreou depois de muita espera e expectativa. Será que O Justiceiro é tudo aquilo que prometeram? A trama se inicia alguns meses após o fim da segunda temporada de Demolidor. Frank está foragido e se escondendo atrás do nome “Pete Castiglione”, trabalhando como construtor. Seu principal objetivo continua sendo matar todos os responsáveis pelo brutal assassinato de toda sua família – e ele está maisRead More

Posted On novembro 7, 2017By João Pedro AccinelliIn Críticas - Séries, Séries

Crítica: Alias Grace (1ª temporada)

Um dos maiores nomes femininos da escrita parece estar ganhando ainda mais prestígio nos meios audiovisuais. A escritora Margaret Atwood, além de responsável pela escrita do romance “O Conto da Aia”, obra que originou a recente e aclamada série The Handmaid’s Tale da Hulu, também escreveu o livro “Alias Grace”, que inspirou a nova minissérie homônima distribuída pela Netflix. Após conferir aos 6 episódios (de 45 minutos cada), posso afirmar que Atwood tem o dom de inspirar diamantes televisivos fora do padrão. Com leves influências de Downton Abbey, a britânicaRead More

Posted On novembro 1, 2017By Alexis ThunderduckIn Críticas - Lançamentos, Filmes

Crítica: Terra Selvagem

O gênero faroeste, até a década de sessenta, era o mais popular dentro da indústria cinematográfica hollywoodiana. Com No Tempo das Diligências, do renomado diretor John Ford, que este gênero começou a alçar fama – assim como o ator John Wayne, que passaria a ser visto como uma estrela de cinema. De 1939 até os dias atuais, o faroeste, assim como tudo, transformou-se. Foram aparecendo diretores – de Cecil B. DeMille a John Sturges, de Howard Hawks a Anthony Mann, de Alejandro Jodorowsky a Sam Peckinpah – que apresentariam distintasRead More

Posted On setembro 30, 2017By João Pedro AccinelliIn Críticas - Catálogo, Filmes

Crítica: Jogo Perigoso

Temos que admitir que 2017 é realmente o ano de Stephen King. O renomado escritor teve livros/contos como It e A Torre Negra adaptados para o cinema, e O Nevoeiro e Mr. Mercedes adaptados para a televisão. Mas, se O Nevoeiro (já cancelada pela Netflix) e A Torre Negra não agradaram tanto, a adaptação de seu livro chamado Jogo Perigoso veio para fazer os fãs do autor enlouquecerem (no bom sentido). Jessie (Carla Gugino) e seu marido Gerald (Bruce Greenwood) viajam para uma casa de campo afastada para tentar reatar oRead More

Posted On setembro 29, 2017By João Pedro AccinelliIn Críticas - Lançamentos

Crítica: Detroit em Rebelião

Quando um ótimo elenco se junta a um diretor competente e prestigiado, sabemos que a expectativa de que o filme seja bom é grande. E se, por fim, essa expectativa tiver sido em vão, é péssima a sensação para qualquer cinéfilo ter que admitir que o filme não é lá aquelas coisas. Contudo, é com um imenso sorriso no rosto que proclamo Detroit em Rebelião como mais um sucesso da cineasta Kathryn Bigelow, que jamais decepciona seu público e carrega consigo uma das mais sólidas e impecáveis filmografias. Seu timingRead More

Posted On setembro 18, 2017By Letícia PiroutekIn Críticas - Lançamentos

Crítica: Kingsman – O Círculo Dourado

Depois de três anos de espera, a sequência de Kingsman finalmente chega às telonas para a alegria dos fãs. O filme tem tudo que primeiro trouxe: cenas de ação coloridas e explosivas, piadas bem colocadas e todos os personagens que nós amamos. Só tem um problema… Os fãs de carteirinhas provavelmente não sairão muito felizes da sessão como no primeiro filme. Pelo menos, foi o meu caso. A continuação da trama permanece seguindo a história de Eggsy Unwin (Taron Egerton), que ainda está se recuperando da morte de seu mentorRead More

Posted On setembro 18, 2017By João Pedro AccinelliIn Críticas - Séries, Séries

Crítica: American Vandal (1ª temporada)

Vândalo Americano. Podemos dizer que finalmente temos uma tradução de título coerente? E olha que coerência é o que não falta nessa nova produção original da Netflix. De início, a abordagem temática da série pode não atrair todos os públicos, não só por ser baseado no formato de documentário como também por temperar tudo com muita sátira e humor. Mas por experiência própria, afirmo que apesar do tratamento diferenciado do gênero a série consegue ser divertida e bastante absorvente, principalmente por sua história principal, profundamente intrigante. Falsos documentários satíricos sãoRead More

Posted On setembro 17, 2017By Jaquelini CornachioniIn Críticas - Lançamentos

Crítica: Mãe!

Caos puro. Mãe! não é um filme fácil de ser digerido. É necessário horas após a sessão para conseguir assimilar todas as situações escancaradas de maneira exibicionista no longa. Darren Aronofsky (Cisne Negro, Réquiem para um Sonho) pode não ter inovado nos temas retratados (tais como religião, política, fanatismo, egocentrismo e paixão), mas certamente inovou na maneira como tudo isso é misturado e colocado em cena. Mãe!, na verdade, parece nos jogar dentro de um grande e intenso pesadelo em que estamos o tempo inteiro nos perguntando o que estáRead More

Posted On setembro 13, 2017By Giovanna ArrudaIn Críticas - Séries, Séries

The Flash ainda tem futuro?

Quando estreou, a série The Flash trouxe consigo uma alegria e toques de humor ainda não vistos no universo televisivo da DC, e claramente foi um sucesso. Em 2015, a segunda temporada estreou e seguiu a mesma fórmula de roteiro da primeira temporada. Funcionou, principalmente com um episódio final chocante que levava a crer que a próxima temporada traria o arco Ponto de Ignição para as telas – mas digamos que toda a expectativa dos fãs não foi correspondida nos episódios seguintes. No último episódio da segunda temporada, Barry AllenRead More

Posted On setembro 6, 2017By João Pedro AccinelliIn Filmes, Rebobinando

Rebobinando: IT – Uma Obra-Prima do Medo (1990)

Qual a chance de um filme de terror ser tão infantil e tão adulto ao mesmo tempo? Convenhamos que não é tão grande, principalmente antes de 1990, ano de lançamento do filme hoje relembrado. Hoje, a coulrofobia (medo de palhaços) é algo quase que intrínseco no psicológico de muitas pessoas, mas o que talvez mais tenha colaborado para isso seja a estilização aterrorizante de palhaços e, nessa função, o que pode ter sido mais influente que o próprio cinema e o audiovisual com suas maquiagens e efeitos especiais medonhos? ParaRead More