The Vampire Diaries: o final épico? (Contém spoilers) | Cinematecando

Posted On 12/03/2017 By In Críticas - Séries, Séries

The Vampire Diaries: o final épico? (Contém spoilers)

Por Mayara Zago

Oito anos, oito temporadas e uma história que começou com a vinda de um vampiro à cidade de Mystic Falls e terminou com sua despedida. Isso foi The Vampire Diaries, série que, apesar de ser voltada para o público adolescente, conquistou fãs de todas as idades.

O seriado surgiu em 2009 e as referências que se tinham de vampiros e outros seres sobrenaturais, nos anos 2000, era muito limitada aos filmes, deixando uma margem maior para seus criadores explorarem a temática.

Julie Plec, o principal nome da bancada de criadores e produtora executiva da série, entendeu a necessidade do público por um conteúdo contínuo em formato de série e ofereceu a história de Elena Gilbert (Nina Dobrev), Damon Salvatore (Ian Somerhalder) e Stefan Salvatore (Paul Wesley), personagens que vivem uma história de amor, aceitação e redenção.

Em Mystic Falls, dois vampiros em seus cento e poucos anos se apaixonam pela mesma garota e em meio a doppelgangers, lobisomens, híbridos, bruxas, sifões, sereias e muitos outros seres sobrenaturais. A história dos irmãos é contada pouco a pouco – desde os ataques descontrolados a humanos, até a busca eterna pela redenção. O irmão bom virou mau e o mau virou bom, e essa troca acontece constantemente em um roteiro confuso durante oito temporadas.

Em várias entrevistas, os autores tentavam explicar o porquê de cada morte e o porquê de cada volta, mas a verdade é que, apesar da série ter tido várias histórias (basicamente uma por temporada) e ter criado um spin-off*, ela ficou desgastante.

Ao tentar mostrar o tempo todo o quão perto do ser humano o vampiro pode estar, na tentativa de humanizá-lo e mostrar que, se estivéssemos passando pela mesma situação, faríamos o mesmo, alguns deslizes de continuação fora cometidos, o que acabou deixando buracos na lógica sobrenatural estabelecida pelo seriado e causando mal aproveitamento de alguns personagens. Um exemplo bem claro disso são os personagens Bonnie Bennett (Kat Graham) e Matt Donovan (Zach Roerig). Ambos têm suas vidas arruinadas por conta dos caminhos cruzados com o do mundo sobrenatural e os dois poderiam ser melhor aproveitados. Bonnie morreu, voltou, perdeu seus poderes, ganhou seus poderes, teve sua vida colocada à beira da morte diversas vezes e o principal: teve seu destino entrelaçado com a vida de sua melhor amiga, e no final de tudo ela viveu, mas perdeu tudo o que mais lhe trazia felicidade (apesar da volta de Elena). Durante as oito temporadas fica claro que os criadores não sabiam lidar com a personagem e foram a refazendo ano a ano.

Donovan, por outro lado, nunca teve muita importância no desenrolar de toda a trama e só começou a ter algum espaço no final da 7º temporada, mostrando que apesar de ser um dos personagens principais, na verdade sempre foi secundário.

Se alguém me perguntar: É uma série boa?, minha resposta sempre será que ela é, mas não por conta do roteiro, da fotografia ou de algum ângulo técnico, mas sim porque sua proposta inicial foi cumprida: a de ser uma série de vampiros, que luta na tentativa de mostrar o lado humanizado (mesmo que de um âmbito sobrenatural) a vida de um grupo de adolescentes.

Ao se pensar no seriado, alguns pontos chamam a atenção positivamente, como é o caso de Caroline Forbes (Candice Accola). A personagem evoluiu muito no decorrer destes oito anos, assim como a própria atriz, que ao interpretá-la pôde explorar ao máximo a abertura dada à personagem no desenrolar da história, criando a oportunidade de migrar para o spin-off.

Quanto aos três personagens principais, a história deles é a que mais se destaca. O amor e a força que Stefan, Damon e Elena puderam tirar com todas as situações levaram ao desfecho da série, o que positivamente não choca em seu último episódio: a morte de Stefan Salvatore, o vampiro que começou e terminou tudo.

O último episódio aconteceu na sexta-feira, 10 de março, e foi muito interessante a forma como os escritores da série tentaram suprir todas as expectativas geradas ao longo das oito temporadas. Contudo, dois episódios a mais trariam mais sentido e mais calma na hora de contar todas as novidades. Os últimos dez minutos de episódio foram uma verdadeira correria para mostrar o que aconteceu com cada personagem, desde a morte de Stefan, até a própria morte de Elena e Damon.

Os pontos que mais chamam a atenção em todo o episódio, além da morte de Stefan, é a ida de Caroline para New Orleans (local onde se passa o spin-off da série) e o reencontro após dois anos de Elena e Damon, que juntos constroem uma vida humana e normal juntos.

Por fim, os últimos minutos são muito bem produzidos, pois mostra a devida importância de cada personagem no enredo e na vida de cada um. Com certeza The Vampire Diaries é um seriado que deixará saudades para quem o acompanhou fielmente.


*Spin-off
: é quando um seriado é criado a partir de outro. Acontece uma introdução por meio da série principal e uma história nasce ali, dando origem a outros personagens e aventuras. No caso de The Vampire Diaries, a série é The Originals, que estreia sua 4º temporada no dia 17 de março de 2017.