PSI: Terceira temporada da série do canal HBO surpreende pela mudança de formato | Cinematecando

Posted On 06/04/2017 By In Artigos - Séries, Séries

PSI: Terceira temporada da série do canal HBO surpreende pela mudança de formato

A terceira temporada da produção original brasileira PSI estreia em 09 de abril, na HBO, e o Cinematecando foi convidado pelo canal para conferir aos dois primeiros episódios da temporada e participar da coletiva de imprensa com Contardo Calligaris (criador, roteirista e diretor), Emílio de Mello (protagonista da série, no papel de Carlo Antonini) e Maria Angela de Jesus (vice-presidente de Produções Originais da HBO Latin America).

Nesta terceira temporada, a série seguirá um formato diferente das temporadas anteriores, sendo agora composta por cinco histórias, divididas em 10 episódios. Devido ao novo estilo, os episódios também podem ser vistos como cinco telefilmes, pois contam histórias distintas que são mediadas pelo personagem de Emílio de Mello (indicado ao Emmy na categoria de Melhor Ator).

A história exibida para a imprensa foi a de Aurora (Gabriela Toloi), uma jovem de 18 anos que decide cometer suicídio assistido devido a um problema de saúde que a impede de viver uma vida normal. Angustiada e ao mesmo tempo muito decidida, Aurora precisa “convencer” os pais de que essa é a decisão mais racional que pode fazer e que não há outra saída. Ao mesmo tempo em que trava esta batalha interna e também uma batalha com o governo brasileiro (que considera o suicídio assistido ilegal), também a acompanhamos em suas consultas com Carlo, que não faz ideia de que a garota irá morrer tão cedo.

Ao menos para mim, os episódios são extremamente difíceis de serem digeridos – afinal, tratam de um assunto pesado e ainda por cima esbarram nas leis brasileiras, o que aproxima ainda mais o espectador da realidade. Mas se tem uma coisa que prende a atenção ainda mais do que o tema, é a dinâmica entre Gabriela Toloi e Emílio de Mello. No bate-papo com os jornalistas, o ator disse que a ligação entre uma dupla de atores acontece instantaneamente ou simplesmente não acontece; e, no caso dos dois, esse “click” ocorreu logo na primeira cena que ensaiaram. De fato, dá para perceber isso facilmente conferindo o resultado final.

Emocionante e com muitas reflexões sobre a vida e a importância de valorizá-la (não importa por quais meios), a história de abertura da nova temporada de Psi já demonstra uma grande mudança de abordagem por parte da equipe da série e da própria HBO. Muito provavelmente essa mudança será recebida com grande aprovação do público, mas mais importante do que isso é que a produção demonstra ainda mais qualidades técnicas e de escrita, comprovando, mais uma vez, a competência audiovisual que o Brasil possui.

Todo domingo, às 21h, o canal exibirá um episódio inédito com as novas aventuras e casos acompanhados pelo psiquiatra. Fiquem ligados e acompanhem, porque Psi é uma série que merece toda sua atenção.

Jornalista especializada em cinema. Fundadora e editora-chefe do Cinematecando. Foi assessora de imprensa na 41ª edição da Mostra Internacional de Cinema e hoje é redatora e repórter do portal AdoroCinema.