Crítica: Doutor Estranho | Cinematecando

Posted On 30/10/2016 By In Críticas - Lançamentos

Crítica: Doutor Estranho

Em julho de 1963, Stan Lee e Steve Ditko, criadores do Homem Aranha, deram vida a mais um personagem icônico para a Casa das Ideias: Stephen Vincent Strange, um neurocirurgião extremamente habilidoso, e orgulhoso na mesma intensidade. Nos quadrinhos, Dr. Strange é uma pessoa arrogante que vive para seu trabalho e nada mais. Quando sofre um acidente de carro que o faz perder boa parte do controle de suas mãos, ele não se conforma com sua nova vida fora das mesas de cirurgia e gasta uma fortuna com experimentos variados a fim de se curar. Desesperado por ver que nada dá certo, Strange toma a decisão de ir até o Tibete para conhecer o Ancião, figura misteriosa que poderia curá-lo. Mas ele acaba encontrando algo muito maior: a chance de aprender a manipular e concentrar energia com o uso das artes marciais. Strange torna-se um aluno dedicado com grande potencial para se tornar o sucessor do Ancião, tendo o poder de vestir o manto de Mago Supremo.

Em 2016, essa história de origem, uma das mais conhecidas dos quadrinhos, toma sua forma cinematográfica e integra o universo que a Marvel constrói detalhadamente desde Homem de Ferro (2008). É necessário ter o pé no chão e dizer que ele passa longe de ser perfeito – com alguns filmes de menor impacto se comparado à grandeza dos heróis apresentados, como os fracos Homem de Ferro 3 (2013) e Thor: Mundo Sombrio (2013) e o razoável, mas esquecível, Vingadores: Era de Ultron (2015) – mas que é bem trabalhado quando visto e analisado de modo geral. Depois da perfeita inclusão dos Guardiões da Galáxia e do Homem-Formiga, que ganharam filmes próprios, além de Feiticeira Escarlate, Homem-Aranha e Pantera Negra, chegou a hora do “Todo Poderoso da Marvel” garantir sua grande entrada no time de super-heróis. E, felizmente, ela acontece de forma marcante e chamativa com um ator que faz jus ao importante papel que Stephen Strange desempenha e desempenhará no mundo que os Vingadores defendem.

A trajetória mais fantasiosa da Marvel começou com Thor (2011) e, desde então, as Joias do Infinito, peças importantes que estão formando a trama de Vingadores: Guerra Infinita, foram introduzidas. O ar de magia já estava encaminhado, mas é com Doutor Estranho, dirigido por Scott Derrickson (O Exorcismo de Emily Rose), que podemos ter a certeza de que a Marvel está preparada para inserir a fantasia de vez e expandir seu universo para níveis inimagináveis.

O longa já é marcado por uma sequência inicial fora do comum do que vimos até aqui na Marvel, ao mostrar uma cidade se desmontando e aumentando como um caleidoscópio (que facilmente lembrará os fãs de A Origem pela semelhança visual). Só com essa cena, fica claro que o impacto visual de Doutor Estranho terá participação constante na narrativa, assim como em Matrix, filme esse que serviu de inspiração para Kevin Feige (produtor e chefão da Marvel Studios). Aliás, o uso do 3D se provou extremamente funcional, auxiliando na imersão do espectador na trama. É impossível não ficar hipnotizado pelos elementos mágicos que aparecem em tela logo de cara – e com uma trilha excepcional de Michael Giacchino ao fundo. Nem tudo que é visto faz sentido, mas é exatamente essa a graça do mundo que Stephen Strange está prestes a ingressar: um mundo de infinitas possibilidades.

Assim como nos quadrinhos, Dr. Strange (Benedict Cumberbatch) se diferencia das outras pessoas pela sua atitude metódica e por prezar até demais sua imagem na carreira, o que faz com que ele não tenha amigos, com exceção da ex-namorada e também médica Christine Palmer (Rachel McAdams), que é a única que o conhece fora do hospital. Ambicioso, ele busca casos desafiadores que possam ajudá-lo a aumentar seu prestígio, mas acaba perdendo o controle disso com o acidente de carro. A atuação de Cumberbatch é excepcional e transmite com facilidade e muita classe todos os trejeitos de Strange, desde sua ironia até sua minuciosidade na personalidade (o que remete a outro personagem seu, o Sherlock Holmes da série de TV, e a Tony Stark também). Quando chega ao Kamar-Taj e conhece a Anciã (Tilda Swinton), Strange aprende não só a treinar sua mente como a melhorar sua personalidade individualista e pensar no coletivo. O desenvolvimento do protagonista com a Anciã trabalha bem o lado racional de um e o lado astral do outro, mas o mesmo não pode ser dito da evolução de seus poderes, que acabam aparecendo rápido demais. Sabemos que ele é autodidata e extremamente inteligente, mas algumas cenas a mais mostrando seu aprendizado, sem dúvidas, seriam bem-vindas. O alívio cômico se faz muito presente no decorrer do filme, especialmente por parte de Strange e seu decorrentes aprendizados enquanto se torna o Doutor Estranho. Chiwetel Ejiofor, na pele do fiel guerreiro Mordo, cai em alguns clichês mas deixa pontas soltas que possivelmente reaparecerão no futuro.

O vilão da vez é Kaecilius (Mads Mikkelsen), personagem que passou pelo mesmo treinamento do protagonista, mas que acaba se rebelando por motivações pessoais. Seu arco acontece paralelamente ao de Strange e seus aprendizados sobre o plano astral – e é aqui onde reside o maior problema do filme, o que, sinceramente, não é nenhuma novidade. Kaecilius não é um inimigo ameaçador e possui um desenvolvimento raso, por mais que a atuação de Mikkelsen seja positiva e tente dar fôlego ao personagem. Porém, um fator interessante é que ele acaba se tornando a porta de entrada para uma nova trama que envolve um dos maiores antagonistas do Doutor Estranho: Dormammu, ser místico que vive em outra dimensão. Uma vez que é com esse ser que vemos a real ameaça que possa residir nos futuros filmes da Marvel, o arco de Kaecilius não soa tão fraco e óbvio assim.

Juntamente com Cumberbatch, que soube dosar bem seus momentos dramáticos com os mais leves, o elenco todo está ótimo. Por mais que a escolha dos atores tenha rendido polêmicas durante a fase de divulgação dos trailers, principalmente pela escalação de Tilda Swinton como a Anciã (que é um personagem originalmente masculino e asiático nos quadrinhos), é certo dizer que Tilda está confortável e até mesmo ameaçadora no papel de alguém que defende a Terra há muitos séculos. Quanto a mudança que optaram por fazer, a Marvel afirmou que “o Ancião é um título que não é mantido exclusivamente por um determinado personagem, mas um pseudônimo repassado ao longo do tempo, e nesse filme em particular sua personificação é céltica”.

Os efeitos visuais realmente estão ótimos, a coreografia das cenas de ação são de qualidade, e a fotografia do filme é exemplar, contando com planos longos e amplos que mostram a dimensão do que Strange vivencia. Sem contar que elementos importantes que compõem a figura do herói, como a Capa de Levitação e o Olho de Agamotto, também têm seus momentos de destaque.

Doutor Estranho sabe a que veio: contar uma história de origem que possui peso e importância suficientes para adentrar nessa cronologia com grande potencial. A Marvel ainda precisa aprender a aprofundar mais seus antagonistas para que eles não soem apenas ameaças que não se dão o trabalho de serem levadas a sério; mas tirando essa observação, o longa faz uma viagem psicodélica, mágica, divertida e, (por que não?) estranha, que não tem exatamente o molde tradicional de outros filmes que a Marvel produziu até aqui e se sobressai exatamente por isso.

E não se esqueça da tradição: há duas cenas pós-créditos!

FICHA TÉCNICA
Direção: Scott Derrickson
Produção: Kevin Feige
Produção executiva: Louis D’Esposito, Stephen Broussard, Victoria Alonso, Charles Newirth e Stan Lee
Roteiro: Jon Spaihts e Scott Derrickson & C. Robert Cargill
Elenco: Benedict Cumberbatch, Chiwetel Ejiofor, Rachel McAdams, Benedict Wong, Michael Stuhlbarg, Scott Adkins, Benjamin Bratt com Mads Mikkelsen e Tilda Swinton
Duração: 1h55
Data de estreia: 02/11/2016

Em julho de 1963, Stan Lee e Steve Ditko, criadores do Homem Aranha, deram vida a mais um personagem icônico para a Casa das Ideias: Stephen Vincent Strange, um neurocirurgião extremamente habilidoso, e orgulhoso na mesma intensidade. Nos quadrinhos, Dr. Strange é uma pessoa arrogante que vive para seu trabalho e nada mais. Quando sofre um acidente de carro que o faz perder boa parte do controle de suas mãos, ele não se conforma com sua nova vida fora das mesas de cirurgia e gasta uma fortuna com experimentos variados a fim de se curar. Desesperado por ver que nada dá certo, Strange toma a decisão de ir até o Tibete para conhecer o Ancião, figura misteriosa que poderia curá-lo. Mas ele acaba encontrando algo muito maior: a chance de aprender a manipular e concentrar energia com o uso das artes marciais. Strange torna-se um aluno dedicado com grande potencial para se tornar o sucessor do Ancião, tendo o poder de vestir o manto de Mago Supremo. Em 2016, essa história de origem, uma das mais conhecidas dos quadrinhos, toma sua forma cinematográfica e integra o universo que a Marvel constrói detalhadamente desde Homem de Ferro (2008). É necessário ter o pé no chão e dizer que ele passa longe de ser perfeito - com alguns filmes de menor impacto se comparado à grandeza dos heróis apresentados, como os fracos Homem de Ferro 3 (2013) e Thor: Mundo Sombrio (2013) e o razoável, mas esquecível, Vingadores: Era de Ultron (2015) - mas que é bem trabalhado quando visto e analisado de modo geral. Depois da perfeita inclusão dos Guardiões da Galáxia e do Homem-Formiga, que ganharam filmes próprios, além de Feiticeira Escarlate, Homem-Aranha e Pantera Negra, chegou a hora do "Todo Poderoso da Marvel" garantir sua grande entrada no time de super-heróis. E, felizmente, ela acontece de forma marcante e chamativa com um ator que faz jus ao importante papel que Stephen Strange desempenha e desempenhará no mundo que os Vingadores defendem. A trajetória mais fantasiosa da Marvel começou com Thor (2011) e, desde então, as Joias do Infinito, peças importantes que estão formando a trama de Vingadores: Guerra Infinita, foram introduzidas. O ar de magia já estava encaminhado, mas é com Doutor Estranho, dirigido por Scott Derrickson (O Exorcismo de Emily Rose), que podemos ter a certeza de que a Marvel está preparada para inserir a fantasia de vez e expandir seu universo para níveis inimagináveis. O longa já é marcado por uma sequência inicial fora do comum do que vimos até aqui na Marvel, ao mostrar uma cidade se desmontando e aumentando como um caleidoscópio (que facilmente lembrará os fãs de A Origem pela semelhança visual). Só com essa cena, fica claro que o impacto visual de Doutor Estranho terá participação constante na narrativa, assim como em Matrix, filme esse que serviu de inspiração para Kevin Feige (produtor e chefão da Marvel Studios). Aliás, o uso do 3D se provou extremamente funcional, auxiliando na imersão do espectador na trama. É impossível não ficar hipnotizado pelos…

Nota

Doutor Estranho

Ótimo

Doutor Estranho é o segundo filme da Fase Três do Universo Cinematográfico da Marvel, que foi iniciada com Capitão América: Guerra Civil. Os próximos longas da fase serão Guardiões da Galáxia 2, Homem Aranha e Thor: Ragnarok.

80

Tags : , , , ,

Jornalista especializada em cinema. Fundadora e editora-chefe do Cinematecando. Trabalhou como assessora de imprensa na 41ª edição da Mostra Internacional de Cinema e apresenta o canal do site no YouTube.