Crítica: Entre Irmãs | Cinematecando

Posted On 11/10/2017 By In Críticas - Lançamentos

Crítica: Entre Irmãs

Emília e Luzia são irmãs muito diferentes. A primeira sonha em se tornar uma jovem da capital enquanto se sente presa a uma realidade do sertão; a segunda, sonha em ser livre (tal qual os pássaros) ao mesmo tempo em que está presa a uma deficiência física que a impede de sonhar em sair da pequena Taguaritinga do Norte. As duas mulheres são criadas pela tia, que repete constantemente que elas só têm uma a outra no mundo, e talvez essa seja a maior verdade que rege a história das personagens em Entre Irmãs.

Logo no início do filme as irmãs são separadas. Luzia (Nanda Costa) é levada por cangaceiros para viver com eles e Emília (Marjorie Estiano) se casa com um jovem respeitável da capital e passa a levar uma vida completamente diferente. Enquanto a realidade apavorante do cangaço vai aos poucos surpreendendo positivamente Luzia, Emília descobre que, às vezes, os sonhos trazem com eles grandes decepções e é na distância que vemos o quanto irmãs tão diferentes trazem força e intensidade tão iguais.

Baseado no livro A Costureira e o Cangaceiro, de Frances de Pontes Peebles, o filme, dirigido Breno Silveira (conhecido por seus trabalhos em Dois Filhos de Francisco e Gonzaga: De Pai pra Filho) leva o espectador para uma realidade do Brasil que o próprio país resolveu esquecer, mas que traz questões muito parecidas com as quais vivemos hoje em dia. A história, que se passa há quase 100 anos, discute desigualdade social, violência, política, preconceito, orientação sexual, feminismo e tantos outros temas atuais.

Durante a coletiva de imprensa do filme, realizada em São Paulo, Breno Silveira afirmou diversas vezes que Entre Irmãs é um filme épico, o que é verdade, pois retrata heroínas do dia a dia, fortes e poderosas, que batalham (seja no cangaço ou contra uma sociedade de aparências) e foram capazes de enfrentar situações adversas para mudar a vida para melhor, e sobre tudo, mulheres que se guiam pelo amor.

Com atuações emocionantes e fotografia impecável capaz passar sentimentos e levar de fato o espectador para o sertão e para a capital de Pernambuco, o longa com certeza figura a lista das melhores obras nacionais dos últimos tempos. Quem vê a duração do filme, 2 horas e 15 minutos, pode até levar um susto no início, mas cada minuto é importante para a evolução da história e o ritmo não é arrastado, o espectador se vê tão envolvido com a história desde o começo que o tempo passa sem que perceba.

FICHA TÉCNICA
Direção e Produção: Breno Silveira
Roteiro: Patrícia Andrade
Fotografia: Leonardo Ferreira
Elenco: Marjorie Estiano, Nanda Costa, Julio Machado, Rômulo Estrela, Letícia Colin, Gabriel Stauffer, Cláudio Jaborandy, Cyria Coentro, Ângelo Antônio, Fábio Lago, Rita Assemany.

Emília e Luzia são irmãs muito diferentes. A primeira sonha em se tornar uma jovem da capital enquanto se sente presa a uma realidade do sertão; a segunda, sonha em ser livre (tal qual os pássaros) ao mesmo tempo em que está presa a uma deficiência física que a impede de sonhar em sair da pequena Taguaritinga do Norte. As duas mulheres são criadas pela tia, que repete constantemente que elas só têm uma a outra no mundo, e talvez essa seja a maior verdade que rege a história das personagens em Entre Irmãs. Logo no início do filme as irmãs são separadas. Luzia (Nanda Costa) é levada por cangaceiros para viver com eles e Emília (Marjorie Estiano) se casa com um jovem respeitável da capital e passa a levar uma vida completamente diferente. Enquanto a realidade apavorante do cangaço vai aos poucos surpreendendo positivamente Luzia, Emília descobre que, às vezes, os sonhos trazem com eles grandes decepções e é na distância que vemos o quanto irmãs tão diferentes trazem força e intensidade tão iguais. Baseado no livro A Costureira e o Cangaceiro, de Frances de Pontes Peebles, o filme, dirigido Breno Silveira (conhecido por seus trabalhos em Dois Filhos de Francisco e Gonzaga: De Pai pra Filho) leva o espectador para uma realidade do Brasil que o próprio país resolveu esquecer, mas que traz questões muito parecidas com as quais vivemos hoje em dia. A história, que se passa há quase 100 anos, discute desigualdade social, violência, política, preconceito, orientação sexual, feminismo e tantos outros temas atuais. Durante a coletiva de imprensa do filme, realizada em São Paulo, Breno Silveira afirmou diversas vezes que Entre Irmãs é um filme épico, o que é verdade, pois retrata heroínas do dia a dia, fortes e poderosas, que batalham (seja no cangaço ou contra uma sociedade de aparências) e foram capazes de enfrentar situações adversas para mudar a vida para melhor, e sobre tudo, mulheres que se guiam pelo amor. Com atuações emocionantes e fotografia impecável capaz passar sentimentos e levar de fato o espectador para o sertão e para a capital de Pernambuco, o longa com certeza figura a lista das melhores obras nacionais dos últimos tempos. Quem vê a duração do filme, 2 horas e 15 minutos, pode até levar um susto no início, mas cada minuto é importante para a evolução da história e o ritmo não é arrastado, o espectador se vê tão envolvido com a história desde o começo que o tempo passa sem que perceba. https://www.youtube.com/watch?v=NrFYL1k6q34 FICHA TÉCNICA Direção e Produção: Breno Silveira Roteiro: Patrícia Andrade Fotografia: Leonardo Ferreira Elenco: Marjorie Estiano, Nanda Costa, Julio Machado, Rômulo Estrela, Letícia Colin, Gabriel Stauffer, Cláudio Jaborandy, Cyria Coentro, Ângelo Antônio, Fábio Lago, Rita Assemany.

Entre Irmãs

Direção
Roteiro
Elenco
Fotografia

Excelente

100

Tags : , , , ,