Dez documentários sobre mulheres fortes e inspiradoras | Cinematecando

Posted On 08/03/2017 By In Filmes, Listas

Dez documentários sobre mulheres fortes e inspiradoras

E o melhor: alguns estão disponíveis na Netflix

Desde que o mundo é mundo, a maioria dos homens veem as mulheres como animais que podem ser domesticados, dando às mulheres certa sensação de impotência, como se não pudéssemos ser, por exemplo, escritoras, empresárias, advogadas, cantoras e, principalmente, donas de nossas próprias vidas. E, se atualmente conseguimos analisar alguma melhora em relação ao machismo na sociedade, devemos isso às mulheres que fizeram história e mostraram que não existe sexo frágil. Para celebrar o Dia da Mulher, confira documentários que contam histórias de mulheres importantes e que mandaram ao mundo o seu recado: nós, sem dúvida alguma, somos capazes.

MERCEDES SOSA: A VOZ DA AMÉRICA LATINA

Dirigido por Rodrigo Vila e idealizado por Fabián Matus, o documentário Mercedes Sosa: A Voz da América Latina, lançado em 2013, conta a trajetória da cantora argentina que quebrou os padrões e, ao lado de outros artistas, criou o Manifesto da Canção Nova. Mercedes é considerada uma idealista e lutadora que soube ver a realidade da América Latina, deixando um legado para as próximas gerações.

AMY

Considerada uma das cantoras mais importantes do mundo, o documentário mostra a trajetória de Amy com fotos e vídeos emocionantes de sua vida e carreira. Amy ganhou o Oscar de melhor documentário em 2016.

LOVE, MARILYN

Após quase 50 anos de sua morte, uma caixa com documentos, diários, poemas e cartas escritas por Marilyn Monroe foi encontrada. No documentário, as anotações da diva do cinema mostram o outro lado da atriz e ícone feminino.

WHAT HAPPENED, MISS SIMONE?

Nina Simone, pianista e cantora de Jazz, era uma das maiores influências de Amy Winehouse. Simone foi uma mulher forte, incrível e que lutou através da arte não só a favor dos direitos das mulheres, como contra o racismo. O documentário também foi indicado ao Oscar em 2016.

GIRL RISING

O documentário acompanha nove garotas de países diferentes (Camboja, Nepal, Índia, Egito, Afeganistão, Peru, Serra Leoa e Etiópia), que enfrentam as dificuldades de acesso à escola. Girl Rising mostra o efeito e a importância da educação, capaz de quebrar ciclos de pobreza e essencial para educar as crianças de maneira igualitária.

AS HIPER MULHERES

O longa faz parte do projeto Vídeo nas Aldeias e nos permite conhecer mais a respeito da realidade da tribo, localizada no Alto do Xingu, em Mato Grosso. A história mostra, entre muitas coisas, as relações de gênero.

EM BUSCA DE IARA

Iara Iavelberg, nascida na elite paulistana, abandonou o conforto e a família e aderiu à luta armada durante a ditadura. No documentário, o diretor Flavio Frederico procura desmentir a morte de Iara em 1971, atribuída a um suicídio e mostrar o horror do golpe de 1964 no Brasil.

MALALA

Impossível falar de feminismo e mulheres fortes e não se lembrar de Malala, uma garota paquistanesa que se tornou alvo do Talibã após defender publicamente o direto das mulheres de frequentarem escolas. O documentário retrata a trajetória de Malala, que hoje ajuda meninas de todo o mundo a conquistarem seus direitos. Uma verdadeira fonte de inspiração! Leia a crítica completa aqui.

BRAVE MISS WORLD

Semanas antes de ser eleita Miss Mundo, a Israelense Linor Abargil foi violentada e tornou-se representante mundial de vítimas de estupro, incentivando garotas a manifestarem. No documentário, Linor mostra a importância da sua luta por justiça.

DOMÉSTICAS

O diretor Gabriel Mascaro deu uma câmera na mão de sete adolescentes para que elas filmassem o cotidiano de suas domésticas. A partir disso, o documentário mostra a realidade das relações trabalhistas e sociais entre famílias empregadoras e empregadas. É importante dizer que o longa foi feito em 2011, antes da PEC das Domésticas.

FIRST COMES LOVE

Você tem toda a sua vida planejada? É o seu sonho ser mãe e ter uma família, ou você busca isso por conta da pressão da sociedade? No longa First Comes Love, Nina Davenport  documenta a sua vida de mãe solteira aos 41 e mostra que nem sempre as coisas precisam sair como o planejado (ou como deseja a sociedade).